“Ao coração que sofre, separado do teu, no exílio em que a chorar me vejo, não basta o afeto simples e sagrado com que das desventuras me protejo.”

“Morrerei de aflição e de saudade… Espera! Até que o dia resplandeça, aquece-me com a tua mocidade!”

“Saudades: presença dos ausentes.”

“Noite. Oh! Saudade… A dolorosa rama da árvore aflita pelo chão derrama as folhas, como lágrimas… Lembrar!”

“Foste o beijo melhor da minha vida, ou talvez o pior… Glória e tormento, contigo à luz subi do firmamento, contigo fui pela infernal descida!”

“Basta de enganos! Mostra-me sem medo aos homens, afrontando-os face a face: Quero que os homens todos, quando eu passe, invejosos, apontem-me com o dedo.”

“O medo é o pai da crença.”

“Quantas vezes, em sonho, as asas da saudade solto para onde estás, e fico de ti perto! Como, depois do sonho, é triste a realidade! Como tudo, sem ti, fica depois deserto!”

“Homem! És o universo porque pensas e, pequenino e fraco, és Deus, porque amas.”

“Por que me prendes? Solta-me covarde! Deus me deu por gaiola a imensidade: Não me roubes a minha liberdade, quero voar! Voar!”